Em 9 de Maio de 2019 às 17:00

Assembleia geral d*s estudantes de computação, 09 de Maio de 2019

Assembleia deliberativa, dentre 169 pessoas presentes, havia 169 membros do CACo presentes, sendo que a lista de membros (excluindo quem já não faz parte da graduação ou pós-graduação de computação) possui 500 pessoas. Foi batido o quórum em segunda chamada com 33,8% dos membros do CACo presentes dos 33,3% dos membros do CACo presentes necessários.

Pauta:

- A paralisação no dia 15 de maio. Tentaremos votar até as 19h para quem tem aula esse horário.

- Segurança no campus, devido a agressão de uma mulher trans pela guarda do campus dentro do campus.

Discussão:

- Discurso 1:

    O indicativo de paralisação veio do encontro nacional de educação, que a iniciou devido aos cortes do governo Bolsonaro à universidades federais, que já vem recebendo menos a muito tempo. Esses cortes levaram os estudantes a mostrar que nas universidades não há balbúrdia insinuada pelo governo. Estão ocorrendo cada vez mais assembléias de universidades para aderir a greve, e já estão ocorrendo vários atos antes mesmo do dia 15. O próprio ministro da educação já disse que pode não haver cortes na educação se ocorrer a reforma da previdência, para buscar apoio de estudantes a essa. Já houveram mais de 15 assembléias na Unicamp.

- Resposta ao Discurso 1:

    Pergunta sobre o projeto de lei de cortes de curso, sobre os cortes de humanas e o projeto de lei que quer fechar cursos que reprovam mais de 50% de seus alunos, e o impacto disso ao nosso curso.

- Discurso 2:

    Uma coisa não sendo muito falada é que ainda não sentimos muito o baque por não ser uma Universidade federal. Universidades na Paraíba já receberam cortes. O Instituto de Computação de Campina Grande é aliado ao IC Unicamp, e produz muita pesquisa junto a nós, então perderíamos grandes aliados mesmo sem ser afetados diretamente por cortes. Possíveis alunos de lá já tem medo de começar o curso e não conseguir completar o curso.

- Discurso 3:

    Algo que foi discutido na assembleia do CABS é como a sociedade vê a universidade, de fora, sem saber o que ocorre de verdade na Unicamp. A maioria da sociedade não vê o que acontece, os habitantes de Campinas só veem a Unicamp pelo hospital. Eles não sabem das pesquisas que ocorrem aqui. Uma das propostas no CABS foi o “Ciência nas ruas”, que vai levar para a população de Campinas dia 15 informações sobre o que é produzido aqui, convite aos alunos da computação para participar disso. O apoio da sociedade é essencial.

- Discurso 4:

    Aproveitando a fala anterior, nós somos novos e não temos noção do que é luta, movimentação. A paralisação não é só um dia para não vir para a faculdade, é necessário ir e falar com a sociedade sobre os ataques sofridos pela educação. O governo nos ataca financeiramente e socialmente, é necessário se mobilizar para ir contra todas os discursos do governo contra nós. Vamos constituir a luta e estar nas ruas lutando pelos nossos direitos. Os estudantes devem ir aos atos da Unicamp, em Campinas, e em São Paulo.

- Discurso 5:

    A gente sente diferentemente os cortes por sermos estaduais. A Universidade de Pelotas já anunciou que a universidade ia fechar em setembro. Esse corte de verbas é mais que tirar dinheiro da educação, é um movimento da guerra da direita conservadora contra a ciência.  A moral dos professores e estudantes está prejudicada aos olhos do cidadão comum. Não é só um corte, é um retrocesso da ciência.

- Discurso 6:

    É sempre bom lembrar que o corte não é só contra a ciência, ocorrerão outros cortes, e sofreremos cada vez mais no futuro, e que deveríamos ter lutado contra isso antes. Devemos lutar para manter o que temos. As pessoas devem reconhecer a importância da luta contra esses cortes.

- Discurso 7:

    Enquanto muitos países estão anunciando dinheiro para pesquisas. O Brasil não tem desenvolvimento científico e tecnológico o suficiente. O governo vem com a difamação do ensino universitário público para camuflar que a ciência e a pesquisa são fundamentais para o povo. Por isso, a juventude tem que sair para a rua para lutar pelos seus direitos, pois há uma guerra declarada contra os estudantes. Encarar a tarefa de lutar pela Universidade é um dever de todos os estudantes.  

- Discurso 8:

    A universidade pública é onde deve haver debate sobre assuntos como previdência e cortes de gastos, por isso é nossa vir de ir pra rua lutar pelos nossos direitos, e paralisar o IC no dia 15 é importante para mostrar que a Universidade em geral será prejudicada, inclusive o hospital sofreu cortes de gastos.

- Discurso 9:

    Uma hora o corte das outras áreas vai chegar nas exatas, mais um motivo para também nos mobilizarmos.

- Discurso 10:

    A maioria do pessoal que tá aqui é a favor dessa paralisação, mas também deve ter um amigo ou familiar que acha a mobilização besteira, que não levará em nada. Se todo mundo aqui é a favor do que nos mobilizamos, é necessário falarmos também com essas pessoas próximas para convencê-las que isso é para uma boa causa.

- Discurso 11:

    Complementando o que foi disso, todos já devem ter ouvido que a assembleia não serve pra nada e todo mundo tem opinião formada, é necessário mostrar para essas pessoas que a mobilização é necessária para que não haja cortes.

- Discurso 12:

    É importante mostrar para essas pessoas próximas que realmente os estudantes de universidade pública não são um gasto para a sociedade com nada, é necessário irmos para os movimentos como o “Ciência nas Ruas” para mostrar para sociedade o que fazemos.

Discussão durante a votação, sobre haver piquete:
- Discurso 13:

    Quando piqueta uma aula, é difícil piquetar a aula do próprio professor, por isso geralmente são cruzados quem piqueta aonde, para professores não marcarem alunos.

- Discurso 14:

    A gente tem que se preparar para fazer piquete, não é uma boa ideia sair daqui sem ter um grupo de pessoas responsáveis pela paralisação. É necessário se preparar um grupo para se preparar pra fazer piquete, por mais que ele não esteja garantido.

- Discurso 15:

    Concordo com a ideia do piquete, mas é importante pensar os efeitos dele. Em 2016, o ML foi na Federal do Rio Grande do Sul e a visão contra a universidade cresceu muito, o piquete é um tiro no pé. Entre fazer e não piquete, é melhor não fazer.

- Discurso 16:

    Quem está em grupo de piquete é complicado, por isso é mais fácil montar um grupo do IC pronto para se juntar com outras faculdades se houver piquete. Esse grupo seria responsável por conversar com as outras faculdades.

- Discurso 17:

    É válido pelo menos refletir sobre a visão das pessoas na internet sobre a esquerda e os estudantes. A extrema direita cresceu pela visão guiada pelo ódio das pessoas sobre os movimentos de esquerda. É uma questão de não dar combustível ao ódio da extrema direita.

- Discurso 18:

    O ponto do piquete é garantir que a paralisação aconteça, pois há professores e alunos que querem furar, e acabam prejudicam a paralisação. Ela que garante o que é discutido na assembleia será realizado. Os questionamentos colocados são entendíveis, e ocorrem cedo, mas o piquete permite lutarmos pelo direito de termos aula e infraestrutura. Se pensarmos o que será distorcido, nada irá acontecer. É necessário garantir nosso método de combater o governo, que está cada vez mais mal visto pela sociedade.

Segundo item da pauta
- Informe:

    Houve a agressão muito grave de uma moça trans negra dentro da Unicamp, usuária dos serviços de saúde. Essa moça saiu de um atendimento, e, por ser uma paciente psiquiátrica, saiu em estado de confusão mental da consulta, pegou duas botas que estavam perto. Os funcionários do hospital reportaram o sumiço das botas a segurança do campus. A segurança interpretou como um roubo e fez uma abordagem agressiva, agredindo a menina com o capacete, chutes e com a própria moto. Foi um caso de agressão que precisa ser debatido no escopo do treinamento da segurança do campus. A própria Unicamp se posicionou dizendo que não é responsável por isso. Esse caso está sendo debatido por entidades, e há um grupo de trabalho, que ainda não concluiu, por questão de data, dos dois documentos sendo criados para serem entregues à reitoria. Convite para estudantes participarem do grupo de trabalho, e fazer posterbomb e um ato para entrega do documento a reitoria.

- Discurso 19:

    Quantas pessoas negras há na computação? Por mais que tenha conquistado esse espaço, as pessoas se questionam se pertencem a ele. Proposta de roda de conversa de estudantes negros e mais diversas etnias sobre o pertencimento a esse espaço. Há vários casos de racismo acontecendo, como o de blackface, que ocorreu em atléticas. As entidades da computação devem cobrar uma resposta dessas atléticas sobre isso, pois é um caso grave de racismo. A ideia é criar, além do núcleo de consciência negra da unicamp, algo dentro da computação.

- Discurso 20:

    Continuando o ponto, devemos nos posicionar sobre essas coisas, é algo que devemos fazer todo dia. Nós cometemos muitos pequenos atos racistas sem perceber, por os fazer desde criança sem pensar sobre. Temos que pensar sobre tudo que pessoas negras passam, tanto por coisas grandes como pequenas que ocorrem.

- Discurso 21:

    Proposta de sair daqui criando um grupo, para já ir conversando sobre ideias do que fazer, como rodas de conversa e empoderamento

- Discurso 22:

    Proposta de tirar um posicionamento da assembleia sobre o caso que aconteceu e o CACo compartilhar no facebook a nota de repúdio do grupo de consciência negra sobre o caso de blackface.

- Discurso 23:

    Além da questão do racismo, existe um problema dos funcionários terceirizados. Uma menina foi assediada do RU por um funcionário e os seus superiores não sabiam como lidar com a situação;

- Discurso 24:

    Temos um problema muito forte de quórum da assembleia, e muitas pessoas ficam no meio termo sobre paralisar ou não, pelos compromissos do curso. Um grupo está sendo criado para convencer as pessoas sobre a necessidade da paralisação. Esse grupo está sendo criado para adiantar pautas, e ter uma discussão informal ali mesmo antes, para dar melhor tempo de discussão.

- Discurso 25:

Proposta de mudar o estatuto do CACo nessa assembleia, pois já é deliberativa.   

Votação:

Foi decidido que a votação aconteceria por contraste (vemos a quantidade de pessoas a favor, de pessoas contra e, se fosse necessário, contaríamos) pois muitos tem aula, a discussão foi muito homogênea e ninguém foi contra a votação dessa forma.

- Propostas

Paralisação no dia 15, com as seguintes atividades:
- Aula pública dia 14, 12h no PB;
- Dia 14 de noite passagem. em salas nas turmas noturnas;
- Dia 15 de manhã. passagem em sala nos cursos que não paralisaram;
- Dia 15, 9h30. ida pro ato no centro de Campinas com secundaristas e professores da rede pública;
- De tarde, 14h. em São Paulo, adesão dos estudantes da Unicamp no ato unificado das universidades estaduais e, para quem ficar em Campinas, participação no “Ciência nas Ruas”;
- De noite, no teatro de arena, batalha de rap

    Aprovada por contraste

Participação com outros cursos das exatas e criação de uma comissão da computação para ajudar nas atividades com as outras exatas:

Aprovada por contraste

Roda de conversa de estudantes negros e outras etnias até o dia 15:

Aprovado por contraste

Compartilhar a nota de repúdio do Centro Acadêmico sobre o caso de agressão e blackface:

Aprovado por contraste