Notícia criada em 24 de Março de 2020 às 14:43

Covid-19 e o EAD na Unicamp

Já está tudo decidido? Como vai ficar? É obrigatório? Os alunos estão sendo consultados? Vai dar pra estudar durante a pandemia? As matérias do IC e da FEEC vão ficar como as do IFGW? O que o  CACo acha disso, e como agiu?
O CACo reuniu informações da pandemia e da Unicamp, conversamos com professor/s da FEEC e do IC para você saber o que esperar e como agir nesse momento.
A situação é um pouco complicada, leia até o final e #ficaemcasa!


 

 

Preocupações sobre EAD

O EaD parece ser a saída lógica para continuar o semestre no meio da pandemia, mas ela não vem sem problemas. Dá uma olhada em algumas coisas que mais preocupam a gente:

  • Precarização: tornar à distância matérias presenciais, que geralmente já são difíceis com o apoio e experiência de colegas e professores, retira do/a estudante o espaço do aprendizado e as relações que se formam nele - que também são importantes, como o conteúdo.  Afinal de contas, se somente o conteúdo fosse importante, teríamos somente livros, provas e um diploma no final.
  • Desorganização 1: a reitoria "federou" a transformação de disciplinas em EaD. Ou seja, cada professor e cada instituto decide o que vira EaD e o que não vira, sem diretrizes claras que todas tenham que seguir. A circunstância, na prática, é que só (tudo) o que puder ser EaD será EaD - mas alguns institutos, como o IFGW (sim, ele mesmo), podem levar essa mágica longe demais.
  • Desorganização 2: não há um questionário centralizado da Universidade para fazer o levantamento de quem tem ou não acesso a equipamentos e internet durante a pandemia; o estudante com acesso limitado fica penalizado duas vezes, porque ao preencher o do IC não será levado em conta no IMECC nem no IFGW, e tem de procurar (de novo na internet) onde cada instituto ou matéria publicou seu formulário; infelizmente, nem todos publicaram.
  • Prazos: Os institutos têm até esta semana para apresentar seus planos. Na prática, houve menos de um mês para elaboração e aprovação de planos para centenas de disciplinas, o que fez com que muitas fossem planejadas e aprovadas a toque de caixa.
  • Abusos: Normalmente já somos soterrados de tarefas. No formato EaD, de acordo com o plano da reitoria, os professores -que raramente são mestres da compreensão e da pedagogia- são potencialmente livres para exercer uma concepção de que "o aluno só vai ter isso pra fazer", o que pode levar a uma sobrecarga ainda maior.
  • Saúde mental: a reitoria afirma que o EaD dará algo para os estudantes fazerem durante a pandemia, mantendo uma âncora importante com a "normalidade". Porém, como pode ser visto na seção [atualizações] em "Saiba Mais", a prioridade durante a pandemia deve ser cuidar da gente mesmo e dos nossos. O mais provável, diante do cenário, é que atividades obrigatórias representem mais um peso muito mais difícil de lidar. São prazos, metas, notas e um nível de concentração em meio a uma doença grave que pode acometer pessoas próximas.
  • Privilégios?: como sempre, as piores condições de estudo ficam entre os estudantes menos privilegiados. O EaD não se adapta direito a quem não tem acesso constante à internet, não possui aparelhos modernos o suficiente (ninguém consegue estudar se até o Moodle trava) e normalmente depende da infraestrutura da Unicamp para ter acesso - de fato, os labs costumam estar sempre cheios. Mas vai além disso: muitos/as vivem com a família ou em moradia precária, num ambiente longe do necessário para estudar os conteúdos exigidos. Continuar as atividades às custas de quem tem condições precárias de acesso à internet e ambientes de estudo é só garantir que as mesmas desigualdadades piorem com o covid-19.
  • Interesses contrários aos estudantes: parte dos gestores da universidade está disposto a implementar uma fatia crescente dos cursos em EaD em nome de cortes de custo, internalizando a falta crônica e a sobrecarga de trabalho de professores, funcionários e monitores para as matérias, decorrentes das reformas administrativas e cortes de verbas (incluindo restrição a concursos públicos, cancelamento da reposição automática de professores, entre outras). Não podemos deixar que o COVID-19 seja a tempestade perfeita para que esse plano seja, posteriormente, tido como "know-how acumulado" e "experiência de (algum) sucesso" para justificar que o EaD se estabeleça por aqui; independentemente se esse semestre for ou não EaD, teremos que continuar defendendo a universidade e as aulas presenciais no futuro.

 

 

A pandemia no país

Não é possível pensar no EaD sem entender o impacto da pandemia em nossas vidas. Será que esse impacto vai ser grande no Brasil?
Até agora, países como França, EUA e Inglaterra tomaram medidas entre cancelar o pagamento de aluguéis, tarifas de água e luz; distribuir alimentos; proibir demissões e conceder várias centenas de bilhões em crédito emergencial e repasses governamentais diretos; entre várias outras ações de amparo à população e aos pequenos negócios (além, é claro, da usual bolsa-empresário aos grandes negócios). Coreia testou uma parte enorme da população com antecedência e evitou contágios grandes.
Aqui no Brasil, os planos do presidente Bolsonaro e do ministro Paulo Guedes são mixurucas, para dizer o mínimo.

  • Teste somente de quem apresentar sintomas graves. Até esta semana não havia testes para muitas pessoas, e só agora estão sendo liberados pelo Min. da Saúde 10 milhões, e depois mais 12 milhões de testes que ainda não chegaram aos estados. Enquanto isso, a contaminação continuou acontecendo. Estamos trabalhando com uma subnotificação gigantesca dos casos.
  • Auxílio de R$ 200 para autônomos todo mês. Não é quase nada, ainda mais pra quem já ganhava pouco. A prefeitura de Maricá, uma cidade do interior do RJ, vai sozinha pagar R$ 1045 de apoio; Campinas não deu sinais de medidas.
  • MP 927, "MP da morte". A intenção do governo era liberar empresas darem licença a trabalhadores por 4 meses, sem remuneração. Pra quem não morrer de covid-19 morrer de fome. Após recuo do governo, foi incluído o "acordo individual entre trabalhador e empregado", abrindo espaço para chantagem, e a diminuição de 25% dos salários "por motivos de força maior"; ainda não há medidas concretas e muitos continuam indo trabalhar, e o governo aproveita a oportunidade para aprovar uma mini-reforma trabalhista bastante profunda.
  • MP 928. Suspende os prazos da Lei de Acesso à Informação em vários órgãos, efetivamente desobrigando a transparência do governo.
  • Liberação de tráfego de pessoas. Governadores estão literalmente tendo que desafiar Bolsonaro –  que deseja abrir a circulação para “não abalar a economia” – para fechar estradas, portos e aeroportos.
  • SP: isenção da tarifa de água para quem tem baixa renda, apenas. Medida vale para todo o estado.

"Falta" dinheiro público para as medidas emergenciais mais extensas, como auxilio a desempregados e trabalhadores informais, mas mesmo na pandemia sempre tem dinheiro para o pagamento de banqueiros e grandes empresas. Isso é criminoso e vai piorar demais a capacidade da população como um todo se manter minimamente saudável, segura, produtiva (e estudando) durante a pandemia, porque vai gerar impactos práticos e diretos no dia-a-dia de todos nós, alguns dos quais listamos no link de [atualizações] na seção "Saiba Mais".

 

 

Como está ficando o EAD?

As mudanças repentinas de orientação e prazos curtos, sem um calendário já redefinido por parte da reitoria, complicaram a vida de professores e coordenadores nos institutos. Muitos já não concordam em continuar lecionando na atual situação. Em vez de estabelecer um prazo mais longo e uma consulta ampla à comunidade, o corpo docente foi sendo obrigado a seguir as "ordens de cima", ficando sobrecarregado de trabalho.
Professores, alguns com suspeita de covid-19, muitas vezes sem familiaridade nenhuma com plataformas EaD, tiveram até este dia 23 para enviar seus planos de desenvolvimento de disciplinas (PDDs), e então...

  • No IC: uma força tarefa foi feita para avaliar os PDDs de acordo com critérios de acessibilidade, compatibilidade tecnológica e flexibilidade de calendário em mente. Então, é esperado que nenhuma matéria cobre presença síncrona com professores e que todas têm prazo ultra-flexível para entrega de trabalhos, até o fim deste e-Semestre.
  • Na FEEC: uma força tarefa semelhante foi estabelecida, porém sem tanto sucesso no acompanhamento dos PDDs. O volume de disciplinas e a correria para cumprir os prazos complicaram bastante a situação, e não é possível afirmar se todos seguem o mesmo critério.
  • No IC e na FEEC: mesmo com todo o empenho de professores e coordenadores, é difícil garantir que pormenores como a complexidade/quantidade de conteúdos seja compatível, ainda mais se considerarmos a situação da pandemia, que vai se agravar. Felizmente, porém, professoras/es e coordenadoras/es nesses institutos têm se demonstrado dispostas/os a dialogar e compreender cada caso que ocorrer nesse semestre atípico, mas só têm autoridade sobre as matérias oferecidas por esses institutos.
  • Em outros institutos: o IFGW foi estrela e rendeu merecidas críticas ao continuar, já no dia seguinte à suspensão de aulas, enviando moodle para entrega valendo nota para os estudantes. Há professores do IMECC que seguiram o mesmo estilo - mas que pelo menos não ostentam média 7. Está sendo considerada a colocação de matérias experimentais de Física no EaD também.

Além disso,

  • Será aberto um prazo novo de alteração de matrícula para o 1o semestre de 2020;
  • A reitoria estendeu os prazos de integralização de todos os estudantes por mais um ano;
  • Pelo que os pronunciamentos vêm dizendo, será possível optar pelo EaD ou trancar o semestre; em todos os casos, sem prejuízo aos coeficientes de rendimento e histórico escolar dos estudantes. Nenhuma medida, contudo, foi oficializada por enquanto.
  • Alterações podem ocorrer a qualquer momento, vindas da Pró-Reitoria de Graduação. Uma posição dos estudantes é necessária para definir os rumos, que ainda não estão fechados.

 

 

Nossa posição e ações

Infelizmente a reitoria optou por não fazer uma consulta ampla à comunidade e cedeu diretamente às pressões do governo para continuar as atividades, e o DCE só semanas mais tarde, timidamente, lançou esse tipo de consulta. Isso complicou nossa situação também: em situações normais, chamaríamos uma assembleia emergencialmente para discutir a situação com todo o curso e obter um posicionamento dos estudantes; numa assembleia, apresentaríamos e referendaríamos o posicionamento da gestão. Ao invés disso, com os fatos acontecendo de forma atropelada, tivemos de agir de forma rápida 1. condizente com tudo que apresentamos anteriormente e 2. que, no mínimo, ganhasse tempo para o debate.

Por todo o exposto acima, a gestão do CACo se posiciona contrária à continuidade do semestre por Educação à Distância. Consideramos que, em que pese a necessidade de continuar formando profissionais, a necessidade mais imediata é que as/os estudantes estejam liberados para se preocupar em cuidar de si mesmos, suas famílias, seu sustento e sobrevivência diante da instabilidade crescente que está instalada; o mesmo consideramos necessário do lado das/os professores, que também sofrem com a necessária suspensão de creches e escolas, o acúmulo de responsabilidades e os prazos apertados. Um semestre com EaD, sobretudo conduzido dessa forma, pode significar um semestre mais desastroso que um semestre cancelado.

O que poderia ser feito ao invés disso, em nossa opinião, seriam atividades e encontros online com atividades extras para quem quiser e puder interagir durante esse período. A disponibilização das ementas pode permitir o auto-estudo de quem estiver interessado, inclusive offline. Por fim, no reinício das aulas, poderia haver testes de proficiência, sobretudo para matérias com estudantes concluintes, evitando atrasos maiores para quem precisa pegar o diploma.

Por isso, nos juntamos a outros 12 CAs, como o CABS, o CACH, o CAIA; à APG-Central, demais APGs; aos 1800+ estudantes que assinaram o abaixo-assinado e a representantes discentes na CCG e no CONSU, solicitando à Pró-Reitoria de Graduação e ao Gabinete do Reitor a suspensão das atividades acadêmicas este semestre. Também chamamos todos os alunos a participar de um bate-papo online no dia de hoje, às 19h.

 

 


* Participe do nosso bate-papo hoje, às 19h
Colocaremos o link aqui e na postagem do facebook!

* Fale com o CACo
Comente em nossas publicações, envie email, direct ou inbox, fale com os membros da gestão - especialmente se as matérias em EaD estiverem transcorrendo com problemas. Também teremos um canal de feedback sobre as disciplinas em EaD.

* Ler e assinar a carta pela suspensão das ativiades não essenciais, incluindo EaD
bit.ly/suspendeunicamp

* Preencher a pesquisa de acesso à internet do IC
bit.ly/pesquisaacessoIC

* Preencher a pesquisa de acesso à internet das suas matérias
Pode ser que seu professor, ou a coordenação do instituto de cada matéria, tenha enviado alguma para você

* Responder a pesquisa do DCE
bit.ly/pesquisaeadDCEunicamp

* Ficar atento/a a seus emails
Emails @dac.unicamp.br e @students.ic.unicamp.br são os mais importantes e utilizados. Veja como logar em bit.ly/manualdeingressante

* Verificar as matérias nas quais está matriculado/a
Os PDDs de cada disciplina devem estar disponíveis na página do IC. Siga as instruções dos professores para continuar realizando a disciplina!

* De acordo com email da CG/CPG do IC, “Aqueles que decidirem optar pela desistência de matrículas em disciplinas, sem que haja prejuízo por esta opção, deverão comunicar a secretaria de graduação (sec-grad@ic.unicamp.br) ou pós-graduação (sec-pos@ic.unicamp.br).”

* Atenção às datas
Haverá período extra de alteração de matrícula, a ser publicado pela DAC

* Atenção aos procedimentos
Excluir matrícula em disciplinas é diferente de trancar o semestre. Algumas das regras disso tudo ainda vão ser publicadas, então não deixe de conversar com seus colegas e enviar dúvidas para a gente. Ainda não está claro como a coisa vai se desenrolar

* Fique em casa real
Não é ir almoçar com o/a miguinho/a, nem ir ali do lado. Em casa <3
 

Levantamento EaD unificado feito pelo pessoal do COTUCA <3
https://twitter.com/andrepasti/status/1242091384162713604

Por que somos contra [as atividades EaD] nas universidades. Posts de 20 a 25 de março na página do CACH
https://www.facebook.com/cach.galo.ifch/

Nota do Núcleo de Consciência Negra sobre EaD solicitando até 12 de abril para debater com a comunidade
https://www.facebook.com/notes/núcleo-de-consciência-negra-da-unicamp/1528188604021792/

O que o Brasil precisa fazer nos próximos dias. Live de Atila Iamarino, biólogo, pesquisador, diulgador científico de longa data e melhor pessoa
https://www.youtube.com/watch?v=zF2pXXJIAGM

[Atualizações sobre a pandemia]
#avisodegatilho {Parte importante do embasamento deste boletim reside em informações que podem ser perturbadoras se você não está lidando bem com a pandemia, mas que não podemos omitir. Contudo, você pode deixar para ler em outro momento, se preferir. Deixamos essas informações num link separado, que você pode conferir aqui: https://pastebin.com/TJHwTukv}